ENCANTO DE JAPÃO

12 Jun 2019
Sem categoria
Sem Título

ENCANTO DE JAPÃO

[Encanto de Japão]

 

Os prédios que tateiam o céu noturno são prolongamentos

Do cálido mar de sargaço em que navego com indulgência.

A porção quente de udon quebra-me em tácitos fragmentos:

Três versões por mim reconhecidas, irmãs da tua Ciência…

 

A densidade populacional cristaliza no espírito uma vontade

De ser maior que a própria existência que me compraz.

Meto-me no meu futon e esqueço-me da própria liberdade:

Condicionalismos newtonianos que congrega tudo o que jaz.

 

As luzes néon entram e proporcionam-me uma reflexão:

Tudo são aceções – conceitos – derivados do útero

Idílico que proporciona no mundo físico uma ilusão.

 

A tempestade metafísica é real; é um negro vórtice!

Suga-nos para o seu interior e rasga as entranhas.

Afinal de contas quantas pontas tem um vértice?

CARTER B. REY

    Deixe uma resposta