PSIQUIATRIA E SAÚDE MENTAL – OS DESAFIOS DE UM ATLETA COM UMA DOENÇA MENTAL – PARTE XI

01 Out 2018
Pessoal
psiquiatria20_50

PSIQUIATRIA E SAÚDE MENTAL – OS DESAFIOS DE UM ATLETA COM UMA DOENÇA MENTAL – PARTE XI

UM MORTIFICADO ESTADO DE ALMA

A combinação entre a sombra e a luz deitavam o compartimento gélido numa penumbra de onde irrompia um misticismo inebriante. Estávamos os dois nus e o calor que emanava dos nossos corpos despidos formavam pequenos folguedos no ar. O branco rude dos lençóis testemunhava a negritude de duas gerações afastadas no tempo mas unificadas nos genes negros imprimidos na nossa carne. Estávamos separados por um vale de emoções que se tocavam no ténue e frágil fingimento da fragilidade humana.

Ele voltou-se para mim e disse-me: “A Morte perpetua-se em caminhos nos quais fervilham as almas mais desligadas”. Não lhe respondi: por vezes o silêncio enaltece as declarações húmidas do coração. A nossa negritude era o reflexo da inexorável precipitação do tempo que se prende nos destinos e sentenças da compreensão sensível. As lágrimas de suor que brotavam dos nossos poros transbordavam a sinceridade de duas entidades longínquas no sentimento da táctil existência humana.

 

A CORRUPÇÃO CORPÓREA DA EXISTÊNCIA

Na tangência fiel da enamorada sedução beijámo-nos num sopro que puxou uma negação da minha vulnerabilidade; as minhas pernas afastaram-se num temperamento mortificado pela genuína e volátil abertura de duas portas – quebrou-se a castidade singela da inocência. Senti toda a sua virilidade na minha interioridade que o comprimia no desejo ansioso de liberdade. Ele cresceu e aflorou na minha pele nua a saliva da sagrada segregação da intimidade percetível.

As sucessivas penetrações sulcavam no entendimento consciente a compartimentação voraz da negatividade que se quer desprender da nuance emocional positiva – suprimi as lágrimas das contradições marcadas pela necessidade de um não existir. Depois de me comer a polpa apenas restou a singularidade do caroço. Ele levantou-se; sentenciou-me com um olhar resfriado da sua essência abortada de um sem sentido. Nunca te deixes corromper por um sentimento leviano e vulgar. És a estrela mais importante da tua constelação; não te esqueças – Está tudo em ti!

  • Blogue
  • Célio Dias
  • Days of Light and Fights
  • Pessoal